Obs.: a página impressa não é necessariamente idêntica à página exibida na tela.
Voltar ao topo.
Proteger Marcas e PatentesÁrea do cliente

Companhia revoluciona testes sanguíneos com nova tecnologia

« Anterior« Última» Próxima» Primeira
ImprimirReportar erroTags:empauta, afirma, afirmar, entregues, máximo, horas, diferencia e certeiros350 palavras5 min. para ler
Companhia revoluciona testes sanguíneos com nova tecnologiaVer imagem ampliada
A Theranos faz testes sanguíneos com um milésimo do volume de sangue que é usado com os métodos tradicionais.

Revolucionar os testes sanguíneos era, aparentemente, uma ideia de bilhões de dólares. Ao menos, fazer isso rendeu à americana Elizabeth Holmes a chegada à lista de bilionários americanos da revista Forbes.

Holmes deixou a faculdade em Stanford aos 19 anos e fundou uma startup aplicando tecnologia na área de saúde. O projeto se tornou a Theranos, empresa que conseguiu 400 milhões de dólares em investimentos e hoje vale nove bilhões de dólares (Holmes, hoje com 30 anos, é dona de metade da empresa).

Graças à tecnologia desenvolvida pela Theranos, aqueles grandes tubos de sangue que são coletados para exames podem se tornar coisa do passado. Os tubos tradicionais têm cerca de dez centímetros. Os utilizados pela Theranos têm menos de 1,3 centímetro.

De acordo com a empresa, a Theranos precisa de apenas um milésimos da amostra de sangue que os exames tradicionais empregam para entregar resultados ao paciente.

A empresa também se diferencia por afirmar que os resultados de qualquer exame podem ser entregues em, no máximo, quatro horas. E a Theranos afirma que seus resultados são certeiros.

De acordo com Holmes, os erros costumam acontecer graças a contaminação em laboratório. “Não temos contato manual com as amostras. O sangue é coletado e colocado numa caixa refrigerada. O próximo passo é processamento no laboratório, que é feito por máquinas automatizadas sem qualquer intervenção manual“, diz Holmes em entrevista à Wired.

Pode parecer que tamanha revolução científica custe caro. Mas os testes da empresa são mais baratos do que os de outros laboratórios nos Estados Unidos. Holmes dá como exemplo o teste de fertilidade para mulheres. “Muita gente paga por esse exame que pode chegar a custar dois mil dólares. Nosso novo teste de fertilidade custará 35 dólares“, diz Holmes.

A tecnologia usada na empresa é mantida em segredo sob inúmeras patentes registradas. Mas a estimativa de Holmes é que o uso de sua tecnologia por planos de saúde poderia representar uma economia de 100 bilhões de dólares por década para cada um deles.

Fonte: abpi.empauta.com

Compartilhar página nas rede sociais:
CompartilharCompartilharTweetarCompartilharPin it